9 de out de 2009

Revistas Femininas

Era pra ser meu post de quarta, mas por falta de tempo (dei um pulinho relâmpago em Munique para rever uma amiga coreana, que não via há três anos. Conto no próximo post.), ficou pra hoje.

A grande notícia do mercado de revistas femininas alemãs que rolou na quarta passada foi a decisão da Brigitte de não contratar mais modelos profissionais e sim, fazer seus editoriais de moda, beleza etc com leitoras. A produção já está em andamento e o primeiro número com o novo formato sai 2 de Janeiro.  Não, não é edição especial, é o novo formato da revista mesmo, sem prazo de vencimento.

A idéia é, lógico, aumentar o número de leitoras. Segundo vi em uma das entrevistas na tv, o mercado de revistas femininas vem sofrendo uma baixa (não sei se isso é realidade só alemã) pela não identificação das leitoras com o que é mostrado nas revistas, leia-se padrões de beleza (magreza). (Em outros países, matérias com modelos que não eram magras ou mesmo com famosas sem make-up, tiveram um impacto muito positivo entre as leitoras.)

Quer saber? Achei ótimo.  Por dois motivos. Primeiro, se isso da redução do número de leitoras for verdade mesmo, é um bom sinal de que as mulheres estão reagindo e não estão mais dispostas a empurrar guela abaixo certos padrões de beleza. Segundo, as revistas se tornarão mais democráticas, com a 'cara' de todo mundo.

E sabe uma coisa que também me incomoda nas revistas femininas? O fato dos editoriais só mostrarem coisas caríssimas,  pelas quais nós, mortais, não podemos pagar. Duvi-de-o-dó que a maioria das leitoras possa comprar bolsas de 1.500 euros, sapatos de 800. A única revista que vi até agora usando também acessórios e roupas mais acessíveis foi a Elle espanhola. Comprei a Elle alemã desse mês e nela veio um guia de compras, de coisas nas quais valia a pena investir seu dinheiro (segundo eles). Joguei o tal guia imediatamente fora. Surreal. (A revista está ali no cantinho esperando para passar por uma faxina. Incrível, entre a capa e o sumário, são 20 folhas seguidas de propaganda.) Revistas como Glamour ou Cosmopolitan também não ficam atrás.

Esta semana estava justamente falando sobre isso com uma amiga, e qual não foi minha surpresa ao ler essa matéria da Marie Claire brasileira.

Novos tempos? Espero que sim.

Atualizando (Matéria da Marie Claire espanhola): El peso de las modelos vuelve a ser motivo de debate 

16 comentários:

Nathalia disse...

Chantal linda!! aqui está vc! td bem por ai?? eu to de volta ao mundo blogal! rs beijocassss!

Lu-Bau.Blog disse...

Boa tarde
A minha dúvida é: Vão colocar pessoas normais MESMO, tipo uma professora, ou ricas empresárias, gente da alta sociedade que praticamente equivale a colocar modelo, mesmo que isto signifique não mudar o padrão físco?
Estou rascunhando um post sobre o tema tb, mas com este meu questionamento.
Abraços,
Luciana

Estórias Daqui disse...

Nath, bom ver você por aqui!

Oi Luciana, além das famosas, qualquer pessoa que se candidatar, poderá vir a participar dos editoriais. Só não vale ser modelo ou ter contrato com agência.

bjokas

Lu-Bau.Blog disse...

Então, espero que eles tenham uma divisão justa entre famosas e pessoas normais, porque não adianta colocar 200 famosas(os) e 1 pessoa normal se o objetivo é se aproximar do consumidor normal. Corre-se o risco de soar algo como falso e hipócrita.

Estórias Daqui disse...

Sim Luciana, tens razão. Agora, se eles não fizerem do jeito que estão espalhando aos quatro ventos, com certeza perderão as leitoras. Alemão não brinca em serviço ;)

Roseane, disse...

Chant eu só leio revista alemä quando vou aos consultórios, näo preciso nem dizer o motivo né, tu sabes bem.
Tenho lido a revista da Oprah, quando vou an biblioteca do DAI. Mais ou menos...algumas coisas bem interessantes. Vou ver o a revista da Marie Claire brasileira.
Bjks

Mi disse...

eu tb li sobre o assunto! adorei a decisao da Brigitte...tava na hora mesmo. Eu recebi um Probeabo da revista MyStyle e ate agora eu dou uma folheada e jogo fora na mesma hora. Tipo, mesmo se estivesse nadando em dinheiro, nao conseguiria me convencer a comprar uma bolsinha por 10.000 euros =P é tudo tao irreal! Da maquiagem até os sapatos, tudo é carissimo e so fica bem em mulheres esqueleticas. sera que agora vai mudar mesmo? bjs!

Jannine disse...

Minha querida esta revolução já deveria estar acontecendo há muito tempo. Mas antes tarde do que nunca né? Concordo com vc que essas mulheres anoréxicas não podem servir de exemplo para ninguém, e esse editorias fora da realidade sempre me fazem rir, sim porque é uma palhaçada, né não?
Um cheiro.

p.s. Olha vc pode tb assitir pelo you tube os personagens do Marco Luque.

Estórias Daqui disse...

Oi !Essa de Oprah até já tive curiosidade de ler, mas nunca li. As alemãs comecei a ler por causa da língua mesmo. Mas tem tanta propaganda, que no fim das contas você nem aperfeiçoa seu vocabulário tanto assim; as reportagens são poucas.

Mi, a qualidade das revistas femininas anda pra lá de baixa. A motivação para o consumo é uma loucura. Na Elle alemã, elas chegam ao absurdo de no meio da matéria colocar páginas de publicidade: a primeira página é da matéria, a seguinte, da publicidade, na terceira a matéria continua. E assim vai dependendo de quantas páginas a matéria tenha. Achei isso impressionante. Fora todos os editais do mundo, que só servem pra incentivar o consumo de coisas pelas quais não podemos pagar: de beleza, de moda, de make-up e por aí vai. Espero que esta iniciativa da Brigitte ajude a melhorar a qualidade das revistas.

Jan minha linda, vou olhar sim! Tu falasse tão bem desse cabra!

Bjos a todas!!!

Paula disse...

primeiramente eu também adorei a idéia, mas vou esperar pra ver que tipo de "mulher normal" eles vão realmente usar nas revistas... tudo bem que vão chamar as mulheres que encontrarem nas ruas mas será que também vão ver uma de manequim 40, 42, 44 bem altas, bem baixinhas ou permanecerão focados nos 36/38 1,75m???

Estórias Daqui disse...

Pois é Paula, tá todo mundo na expectativa pra ver quão revolucionária é esta mudança. Agora, se eles continuarem mostrando só mulheres magras, na minha opinião, perderão totalmente a credibilidade.

Camila disse...

Eu acho que vao mostrar só as 36/38com 1,75m de altura...

Roseane, disse...

Bom findi amiga!!!

Bubusca disse...

Enfim, gente que pensa em gente como eu kkkkkkkk ontem eu recebi um catálogo de roupas íntimas pra idosos (porque eu recebi isso eu nao sei kkkk) e os manequins tinham no máximo 40 OU ou 45 anos. Por que diacho eles não usam um manequim da idade das pessoas que vão usar aquelas roupas? A gente é obrigado a ser bonito e jovem a vida toda é? Abaixo a ditadura da moda. Um dia eu comprei uma revista Elle, pra ver se eu ficava mais moderna, e ela seguiu o mesmo caminho que a tua. Pelamor de Deus Pai, acham a gente com cara de idiota mesmo...

Vivi disse...

Sabia decisão, pq eu tbm acho que ninguém pde comprar roupas de 2.000,00 reias e sapatos idem. Eu assino a marie Claire e tomara que essa onda venha pra c´atbm, pois só colocam na capa essas grifes carríssimas...Tem que colocar as lojas que todos tem acesso :)
Bjokas

Estórias Daqui disse...

Camila, sabe que eu tenho uma esperançazinha?

, bjo pra vc queridoca!

Hahahahhahahhaha, Nêga, conta essa estória desse catálogo direito! ahahhahahahahhaaa

Pois é Vivi, e olha, não sou contra que mostrem as coisas caras, porque afinal de contas, deve haver leitoras que possa pagar por isso. Mas o problema é que 'só' mostram estas coisas, que a maioria das leitoras não podem adquirir.